{'atualizado_em': '2017-08-13', 'breadcrump': '/opiniao', 'dados': {'destaque': [{'titulo': None, 'img': None, 'descricao': None}], 'foto': [{'arquivo_grande': '', 'credito': '', 'link': '', 'legenda': '', 'arquivo': '', 'alinhamento': 'left', 'descricao': ''}], 'tags': ['juracy soares', 'reforma tribut\xe1ria', ','], 'has_galeria': False, 'has_audio': False, 'data_edicao': '2017-08-14', 'has_video': False, 'quotes': [], 'autor': [DictSql({'id_conteudo': 36148, 'id_autor': 1, 'email': '', 'nome': ''})], 'antesdepois': [], 'video': [DictSql({'embed': '', 'id_video': 27231})], 'editor': True, 'titulo': 'Juracy Soares: "A reforma necess\xe1ria"', 'tipo_noticia': 'Normal', 'corpo': '

Em tempos de vacas magras para a arrecadação tributária, o Governo Federal trata de lançar vários “balões de ensaio” para testar fórmulas que, talvez, ofereçam menos resistência. O mais recente foi o suposto estudo para a criação de nova alíquota do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) – como se o assalariado já não sofresse há décadas com defasagem acumulada superior a 80%, conforme aponta o Sindifisco Nacional - Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil.


Aqui, super-ricos pagam menos impostos, proporcionalmente à sua renda, que o assalariado de classe média. A conclusão é da Organização das Nações Unidas (ONU), que, em 2016, apontou que o Brasil é paraíso fiscal para milionários residentes, beneficiados com isenções sobre impostos e dividendos.


A reforma que interessa – antes de qualquer outra – é a tributária. São necessárias medidas que alcancem os mais ricos, forçando-os a contribuírem em proporção compatível aos demais trabalhadores.


Defendemos que o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) seja reformado para incidir sobre as movimentações financeiras, no mesmo modelo que a extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) operava.


Ao trocar o “C” de Contribuição pelo “I” de Imposto, acendemos a possibilidade legal para que a União distribua entre estados e municípios o produto de sua arrecadação. Como Contribuição, esse produto fica 100% com o Governo Federal.


Cobrar IOF como propomos é a única maneira prática de arrecadar imposto do mais rico, porque esses contribuintes movimentam seus recursos pelo sistema financeiro.


Para reduzir o peso sobre o assalariado, estabelecer-se-iam isenções por faixas salariais, além de definir dedutibilidade do IOF suportado pelos contribuintes em suas respectivas declarações de ajuste anual do IRPF.


A iniciativa renderia mais de R$ 33 bilhões. A previsão é do próprio Governo Federal, que no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2017, apresentado em abril de 2016, trouxe a expectativa de arrecadar esse valor com a adoção do imposto.

 

Juracy Soares

juracy.soares@unieducar.org.br

Auditor fiscal da Receita Estadual do Ceará; diretor-executivo do Sindicato dos Auditores-Fiscais da Receita Estadual do Ceará (Auditece Sindical)

', 'descricao': '', 'titulo_categoria': 'Artigo'}, 'expira_em': None, 'seo_description': '', 'atualizado_datahora': '2017-08-13 23:45', 'content_published': True, 'seo_keywords': '"juracy soares", "reforma tribut\xe1ria"', 'id_aplicativo': 1, 'voto': 0, 'id_treeapp': 11, 'publicado': True, 'acesso': 197, 'comentario': '', 'id_site': 184, 'publicado_em': '2017-08-14 01:30', 'id_content': 5826947, 'url': 'https://www.opovo.com.br/jornal/opiniao/2017/08/juracy-soares-a-reforma-necessaria.html', 'seo_title': 'Juracy Soares: "A reforma necess\xe1ria"', 'id_conteudo': 36148L, 'meta_type': 'noticia', 'titulo': 'Juracy Soares: "A reforma necess\xe1ria"', 'creators': [''], 'schema': 'noticia_147507931171'}
Artigo

Juracy Soares: "A reforma necessária"

14/08/2017 | 01:30


Em tempos de vacas magras para a arrecadação tributária, o Governo Federal trata de lançar vários “balões de ensaio” para testar fórmulas que, talvez, ofereçam menos resistência. O mais recente foi o suposto estudo para a criação de nova alíquota do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) – como se o assalariado já não sofresse há décadas com defasagem acumulada superior a 80%, conforme aponta o Sindifisco Nacional - Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil.


Aqui, super-ricos pagam menos impostos, proporcionalmente à sua renda, que o assalariado de classe média. A conclusão é da Organização das Nações Unidas (ONU), que, em 2016, apontou que o Brasil é paraíso fiscal para milionários residentes, beneficiados com isenções sobre impostos e dividendos.


A reforma que interessa – antes de qualquer outra – é a tributária. São necessárias medidas que alcancem os mais ricos, forçando-os a contribuírem em proporção compatível aos demais trabalhadores.


Defendemos que o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) seja reformado para incidir sobre as movimentações financeiras, no mesmo modelo que a extinta Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) operava.


Ao trocar o “C” de Contribuição pelo “I” de Imposto, acendemos a possibilidade legal para que a União distribua entre estados e municípios o produto de sua arrecadação. Como Contribuição, esse produto fica 100% com o Governo Federal.


Cobrar IOF como propomos é a única maneira prática de arrecadar imposto do mais rico, porque esses contribuintes movimentam seus recursos pelo sistema financeiro.


Para reduzir o peso sobre o assalariado, estabelecer-se-iam isenções por faixas salariais, além de definir dedutibilidade do IOF suportado pelos contribuintes em suas respectivas declarações de ajuste anual do IRPF.


A iniciativa renderia mais de R$ 33 bilhões. A previsão é do próprio Governo Federal, que no Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) de 2017, apresentado em abril de 2016, trouxe a expectativa de arrecadar esse valor com a adoção do imposto.

 

Juracy Soares

juracy.soares@unieducar.org.br

Auditor fiscal da Receita Estadual do Ceará; diretor-executivo do Sindicato dos Auditores-Fiscais da Receita Estadual do Ceará (Auditece Sindical)

  • Imóveis
  • Veículos